<BODY>


Nome:

Email:

Site:

Mensagem:


Digite seu e-mail no campo abaixo e receba gratuitamente as novidades do Kibe Loco!



kibeloco@kibeloco.com.br


Este é um site de ficção e fantasia.
Toda e qualquer semelhança com
fatos e/ou nomes reais é mera coincidência.


Coloque o banner do Kibe Loco
no seu site. Copie o código
abaixo no seu template:

 

22.6.05

 

O LADO NEGRO DO SOMBRIO

Nem todo mundo que viu o terceiro episódio da saga Star Wars percebeu, mas algumas pessoas sentiram falta do "lado negro da Força". Isso mesmo! Logo ele. O irresistível, o primeiro, o único, o inigualável, o famigerado, o bom e velho "lado negro da Força" foi censurado por algum Conselho Jedi de aspones e trocado no filme pelo insosso "lado SOMBRIO da Força".

E olha que essa não é a primeira alteração baseada no "politicamente correto" (?!?) que a obra de George Lucas sofreu por aqui. Para quem não sabe, o Conde Dookan - um dos mestres do lado negr... digo, do lado sombrio da Força, interpretado pelo veterano Christopher Lee - é, originalmente, Conde DOOKU (no bom sentido, é claro). Além dele, Capitão Panaka teve de trocar o nome de guerra nas versões brasileiras para Capitão Panaci, e o mestre Jedi (nem os Jedi escaparam dessa) Sifo-Dyas foi transformado em Zaifo Vias (poderia ao menos ter trocado para Sife Rahva. Seria mais justo).



Tudo bem que para traduzir "dark side" (literalmente o "lado escuro"), "sombrio" seja até mais adequado que "negro". Mas a mudança, sabemos todos, não teve o intuito de acertar contas com o dicionário.

Como diria minha amiga Mariana Alves, camuflar expressões dessa maneira é um tiro no próprio pé. Uma grande bobagem que não ajuda em nada a combater o preconceito no Brasil. Muito pelo contrário. Quando não maquia a verdadeira raiz do problema, chama a atenção de maneira equivocada e faz com que a questão não seja encarada com a importância que merece. Muitas vezes vira até motivo de piada (tcha-raaam!). Mais ou menos como aquela proposta para controlar o crescimento desordenado das favelas nos morros do Rio de Janeiro pintando os barracos de verde (sim, essa proposta de fato existiu).

Convenhamos: tem cabimento explorar a situação desse jeito? Não perece coisa oportunista? Se ainda fosse o "lado grafite da Força", tudo bem, até justificaria uma reforma. Mas trocar "lado negro" por "lado sombrio" é um pouco demais. Já imaginou se a moda pega? Eu imaginei...



















Enfim, o mais curioso é que o tal "lado sombrio da Força" só aparece mesmo sob o ar-condicionado do cinema. Por incrível que pareça, o "lado negro da Força" foi mantido nas legendas dos DVDs piratas que os manos vendem no mercado negro... da Força.